BEM ESTAR, COMPORTAMENTO

Amor próprio é necessário!

24 de novembro de 2014

Oi meninos e meninas como vão? Hoje tô aqui pra falar de um assunto um pouquinho diferente do que eu costumo falar, vim aqui pra conversar um pouquinho com vocês sobre amor próprio. Parece tão simples né? Afinal, como alguém pode não se amar? Coisa de louco né? Bom, se você se identificou com essas perguntas depois do início do meu texto, é um bom sinal, significa que você não sofre desse mal. Já quem se identificou e sabe bem do que eu to falando, cola aqui comigo, tenho certeza que esse post vai te ajudar bastante.

Primeiramente deixa eu começar contando um pouquinho da razão de eu fazer esse post. Eu sou a Thaís, tenho 18 anos. Sempre fui uma menina extremamente tranquila, daquelas que trocam uma noite na balada com as amigas por uma maratona de filmes debaixo do sofá. Já tive um namorado, mas não deu certo, não houve brigas nem problemas sérios, só percebemos que não estava mais dando tão certo. E agora namoro novamente, estou junto dele há 1 ano e 6 meses. Até os meus 15 anos falava com todos da minha escola, todos, aparentemente, gostavam de mim e eu tinha milhões de “amigos” (as ” ” entraram há algum tempo, quando percebi que alguns não eram tão amigos assim), era a primeira da minha escola, sempre tirava as melhores notas, passava de ano ganhando diploma de melhor aluna e tudo mais e tudo isso mudou em 2011, quando entrei em uma escola nova. Entrei em uma das escolas mais difíceis, a Federal de Química, é uma escola técnica onde estou há dois períodos de me formar como Técnica em Química de Alimentos. Passei por bastante coisa nessa escola, entre elas, 2 repetências (repeti 2 períodos, o que equivale a 2 semestres, lá é contado como faculdade) e provavelmente se muita coisa não tivesse mudado pra mim a partir de 2011, eu não estaria aqui escrevendo pra vocês. Contei uma breve história sobre mim, pra dar sentido ao post.

Amor próprio é você se sentir bem consigo mesma, é como já tá explícito, o amor que se tem por si mesmo. Muitas vezes o amor próprio é abalado por fraquezas antigas e defeitos nossos que infelizmente supervalorizamos sem motivo. Muitas pessoas confundem amor próprio com egoísmo, com “se achar melhor que os outros”, quando na verdade, o amor próprio nada mais é que se sentir tão capaz quanto o outro, nunca inferior. Quem nunca ouviu aquela frase típica “se você não se ama, quem vai te amar?”, e olha…eu nunca acreditei, mas é verdade.

Quando não se tem amor próprio, é como se você precisasse de outra pessoa pra preencher o vazio dentro de você, você acaba se apegando demais a alguém, o que na maioria das vezes não é bom, por que nem sempre o apego vem igualmente recíproco, e você acaba sofrendo por isso. Outra coisa que também acontece muito, é você não sentir que o tempo gasto consigo mesma foi bem aproveitado. Não entendeu? Vou explicar. É como se você não curtisse ficar sozinha fazendo algo que você goste, como se a sua própria companhia não fosse boa, sendo que na verdade deveria ser a melhor de todas! É complicado quando falta o amor próprio, por que com ele geralmente vem a auto estima baixa, a dúvida da sua capacidade para realizar qualquer tipo de tarefa e tudo isso desencadeia vários problemas, afinal, o pensamento define muita coisa na nossa vida não é mesmo?

Bom, minha dica pra você que se identificou com alguma coisa que eu falei nesse post é, obviamente, se ame!

“Mas Thaís, eu to tentando mas não to conseguindo, o que eu faço?”

Vem cá, vou te dar umas diquinhas:

1) Escolha uma atividade que você ame e que você faça sozinho, é importante pra você aprender a curtir mais sua companhia, depois você vai ver que não tem nada melhor que passar um tempo com você mesma. Ocupe seu tempo.

2) Tente sempre se lembrar das suas qualidades, sempre! Não se importe se você está um pouquinho acima do peso, se você tá magrinha demais, se você tem o nariz um pouco maior do que gostaria, enfim…pare de ficar exaltando seus defeitos, afinal de contas, se você aceitá-los e começar a colocar suas qualidades pra fora, você vai brilhar tanto, que vai ofuscar todos os seus defeitinhos que antes estavam em evidência.

3) Se apegue a você, a mais ninguém! É ótimo ter um namorado, ter alguém com quem você pode contar pra te ajudar, sem dúvidas. Mas não faça dessa pessoa a sua vida, entenda que o mais legal do namoro ou de qualquer outro tipo  de relação, é a soma que cada um proporciona no outro e não viver a sua vida em função da outra pessoa e vice versa.

4) Não fique se comparando aos outros, a coisa mais linda desse mundo é originalidade e a diversidade. Seja lindo (a), especial sim, mas sem mudar quem você é, dessa forma só vai atrair pessoas boas pra você, pessoas que gostam de você pelo o que você é.

5) Se liberte de coisas que te fazem mal, lembranças antigas ruins e coisas do tipo, manda pro lixo!!!

6) Faça uma lista das coisas que você mais gosta em você, das coisas que geralmente todos te elogiam e tenho certeza que você vai se surpreender.

7) E uma das dicas mais importantes: Pare com perguntas do tipo “por que isso aconteceu comigo?” ou se liberte de pensamentos negativos e reclamações, os pensamentos positivos mudam muito as coisas, trazem uma perspectiva totalmente diferente, experimenta que você vai ver!

Bom gente, esse é um assunto muito delicado e longo, eu tentei resumir aqui coimo forma de ajudar a alguém que precise e uma forma de desabafar, mas ainda tem várias outras questões sobre esse assunto que se eu fosse abordar aqui, o limite de caracteres seria atingido! hahaha. Amor próprio é um assunto sério, dependendo do tamanho de sua falta, pode destruir a vida de alguém. Pense bastante sobre tudo o que falei aqui, reflita e comece logo suas mudanças, o quanto antes melhor!

Se tiver alguma dúvida ou alguma experiência que deseja compartilhar com a gente, deixa aqui nos comentários, vamos ler com muito carinho!!!

Beijinhos e se cuidem, espero que tenham gostado!

Você Também Poderá Gostar

2 Comentários

  • leite_ck@hotmail.com'
    Reply Carla Brunner 25 de novembro de 2014 at 08:37

    Olá Thais,
    Me identifiquei muito com o post. Lembrei de muita coisa que vivi na minha adolescência. Um ponto super importante que você citou é a co-dependência, seja ela com um parceiro ou com amigos e familiares. Muita gente culpa o outro por não ser feliz achando que é de responsabilidade dessa pessoa. Aprendi que em qualquer relacionamento nós devemos transbordar o outro, pois somos completos.
    Estou adorando o blog, parabéns meninas.

    • thaisingulani@outlook.com'
      Reply Thais Singulani 26 de novembro de 2014 at 19:27

      Olá Carla! Fico feliz em saber que gostou e se identificou, continue com esse pensamento! Continua também acompanhando os nossos posts é claro hehe

    Deixe seu comentário