COMPORTAMENTO, Relacionamentos

Sobre traição e julgamento alheio

23 de novembro de 2014

Sete de novembro de 2014, sexta feira, mais um dia comum para a maioria das pessoas, mas não para Daniela Maria Giusti Adnet, ou como muitos a conhecem, Dani Calabresa. Seu marido foi visto por alguns paparazzis aos beijos com outra mulher, e imediatamente as câmeras voltaram-se para Dani.

O que exatamente as pessoas esperavam dela? Quem cometeu o ato de traição foi seu marido, certo? Então porque tantos comentários sobre as possíveis atitudes da Dani? Vou lhe contar o motivo. A traição dos homens é vista como algo normal, claro, os meninos são assim mesmo, foram criados dessa maneira, não tem jeito. “Ai da mulher que não segurar seu companheiro.” As pessoas estão acostumadas a compreender a infidelidade masculina como um erro da mulher, tanto da traída, como da “traidora”. NÃO! Parem e reflitam, se a pessoa flagrada com outra fosse a Dani, essa seria a reação de todos? Ou as pessoas simplesmente a queimariam como a traidora, puta, piranha? Porque mulher tem que se comportar, tem que ser santa.

Quem nunca ouviu a frase “se o homem traiu é porque a esposa não estava cumprindo seu papel.”? E é sobre esse papel que devemos pensar. A sociedade é formada por um modelo patriarcal, heteronormativo e monogâmico, onde o mundo gira ao redor do umbigo dos homens, e as mulheres de maneira alguma conseguem se enquadrar, assim são oprimidas diariamente. Por isso eu imploro, da próxima vez que um caso como esse acontecer, pense sobre seus comentários engraçadinhos. Mulheres sendo oprimidas ao redor do mundo não estão achando nenhuma graça.

Todos esperavam a reação de Dani Calabresa, todos decidiram julgá-la por inúmeros motivos que levaram a traição de Adnet, todos deixaram o comportamento do marido refletir sobre a esposa. Com muita classe e bom humor, Dani surpreendeu, tratou com piada os julgamentos alheios. Aos comentários que surgiram sobre a participação de Dani no programa CQC, como se ela tivesse que ter vergonha pela atitude de outros, e não pudesse aparecer em público por isso, a resposta de Dani foi suficiente. Com personalidade sarcástica e divertida, mandou um cala boca para os fiscais da vida alheia.

Entre toda essa história de putas e santas, ninguém parou para pensar o óbvio. O problema não é seu, assim como não é meu, e de ninguém, a não ser dos próprios envolvidos na história. Dani que resolva o que fazer com seu próprio relacionamento. E nós que vivamos nossa vida com menos julgamentos.

*Esse texto foi escrito por Jéssica Rodrigues, colaboradora que não está mais em nossa equipe.

Você Também Poderá Gostar

Comentários

Deixe seu comentário