BEM ESTAR

As vantagens de ser uma garota invisível

1 de abril de 2015

É extremamente fácil ter quinze anos e não saber quem você é ou quem você quer ser no futuro. Essa fase pode ser cruel, uma transição, para descobrir sua identidade.

Seu pior inimigo não é a vida, não é a escola e muito menos as pessoas. Pode estar bem próxima de você, na sua frente ao se olhar no espelho.

Pode ser você mesma!

Lembro que quando tinha essa mesma idade costumava me esconder. Era o tipo ‘garota magra e alta’ que as pessoas sempre iriam dizer “Nossa, você é tão magrinha, deveria ser modelo”, porém eu nunca conseguia me enxergar como algo que poderia merecer esse destaque.

Não me achava bonita e  ninguém mudaria essa verdade!

Foi assim que me tornei a garota invisível, aquela que não se importava em usar maquiagem (para quê isso? Só um monte de coisa na cara).  Vestia um short, um moletom e um chinelo (pra quê se arrumar, eu quero é mesmo me sentir confortável) e pronto.

É muito fácil se vestir com o básico, se esconder por de trás de um óculos e culpar o mundo por não ter nascido igual a Gisele Bündchen.

 Se sentir a Carrie (a estranha)…Ser esquisita.

Porém depois de muito tempo percebi que estava prejudicando a mim mesma dizendo que eu estava bem com aquilo. De forma alguma eu não era feliz, eu não me amava.

Nós não somos invisíveis!

Não devemos acreditar que isso é uma vantagem, é apenas medo disfarçado. Medo de crescer, de ser julgada, de acreditar que podemos ser mais. Não existe um passo a passo para se aceitar. Isso vem da pessoa e posso apenas dar uma conselho:

É muito bom, amar você mesma!

Depois que passar por tudo isso a felicidade é um caminho sem retorno!

Ps: Quando descobrir esse mundo novo, as pessoas vão te nota e você irá receber elogios!

E qual a melhor forma de agradecer? Elogie de volta!

Caso ainda continue se achando feia e estranha… Se quiser comentar aqui, mesmo que anônimo. Prometo te ajudar!

xoxo

Você Também Poderá Gostar

2 Comentários

  • minnie_ckl@hotmail.com'
    Reply Anônimo 28 de junho de 2016 at 16:57

    Oi! Amei o texto e sim, me vi muito nele. Ainda às vezes me sinto como a Carrie, mesmo já casada…. Ainda estou em busca de quem sou, mas sei que estou quase lá! Obrigada por, de uma forma direta e verdadeira, me ajudar nesse dia!

    • Reply Mariana Andrade 7 de julho de 2016 at 13:34

      Nossa flor, acho que em qualquer momento da nossa vida nós vamos nos sentir assim. Que bom que esse texto te ajudou de alguma forma, isso me deixa ainda mais motivada a escrever aqui no blog.

      O que tenho para falar é: SE AME, SE AME, SE AME. Pois isso é o mais importante.

    Deixe seu comentário