BEM ESTAR, Pé na Tábua

Grindavik, Islândia #ContaMais

29 de maio de 2015

Nunca ouviu falar? Eu também não tinha ouvido até ser apresentada por esses testes que aparecem de vez em quando no facebook. Aparentemente Grindavik é o meu local ideal para férias. E pelo que andei vendo sobre parece mesmo que eu vou gostar.

Grindavik fica na costa oeste da Islândia, uma cidade pequena com apenas 3 mil habitantes, que tem como fonte principal de rena a pesca e o turismo para sua Blue Lagoon (lagoa artificiais com águas termais).

A primeira conclusão que podemos chegar sobre Grindavik é que não é um lugar para ir numa viagem sozinha, a não ser é claro que você não ligue de ficar alguns dias em um local frio com uma maravilhosa lagoa termal artificial.

O hotel mais glamoroso se chama Blue Laggon e é glamoroso mesmoooooo. Imagine um spa gigante, a céu aberto e que usa da natureza como tratamento? Os preços variam de 45 euros a 165 euros (o casal) na baixa temporada, crianças até 13 anos não pagam.

Mas se você como eu não tem grana pra isso tudo, existem outras opções em pousadas, que oferecem acomodações simples e aconchegantes perto da Lagoa Azul, pública em sua maior parte. Fiz uma simulação pelo Tripadvisor de 5 dias em uma pousada local e os preços variaram de R$1.600 à R$2.500, quartos duplos com café da manhã incluso.
Okay, Grindavik não é um local muito barato pra se visitar, mas talvez valha o esforço e a economia nos outros meses do ano.
lagoaazul
Não é daquelas cidades excitantes cheias de coisas para se fazer, mas tem seu encanto quando apreciada por aqueles que valorizam o sossego e a calmaria de uma taça de vinho em uma noite fria ~ou tarde mesmo já que na Islândia a temperatura circunda a casa dos 0ºC no inverno~. Para nós cariocas não há muita opção quanto a melhor época do ano para visitar o país se o objetivo for fugir do frio, já que no verão a temperatura não passa dos 10ºC. Okay, não é tão frio quanto imaginamos, já que o inverno nova-iorquino é muito mais rigoroso que o islandês, obrigada Corrente do Golfo.

Sabe essas festas e tradições de cidade pequena, que no geral envolvem comida? Na Islândia temos algumas opções, particularmente (como uma grande amante de bolinhos) me encantei pelo Bolludagur, o “dia do bolinho”. Nesse dia as crianças acordam seus pais com varinhas decoradas e por cada vez que conseguem acertar seus pais, devem receber saborosos bolinhos decorados. ~ Não é foooofo? <3 ~

Então pessoal, vocês acabam de ler o primeiro episódio da série #ContaMais, que vou seguir semanalmente aqui no Pé na Tabua. O objetivo dela é apresentar pra vocês lugares diferentes e com particularidades fofas ou badaladas, mas que não são do conhecimento geral da nação. Na próxima semana vocês ficarão sabendo sobre Bonito, aqui no Brasil mesmo.
Tem dicas para mim sobre lugares desconhecidos, mas que você se interessa ou já foi? Deixa sua dica aqui nos comentários. ^^
Beijundas <3

Você Também Poderá Gostar

Comentários

Deixe seu comentário