Literando

Coisas que aprendi arrumando meu guarda roupa

3 de junho de 2015

Outro dia parei para observar (de longe) as minhas bagunças. O meu guarda roupa está tão revirado, e o meu coração nem se fala, está cada dia mais  desordenado.

Foi aí que me dei conta de que a vida é um acúmulo de ações, sentimentos, expectativas, sonhos e decepções. Tudo isso tem seu próprio compartimento, seja uma gaveta ou prateleira, mas sempre um lugar certo para ser guardado, assim como as meias, blusas e vestidos. No entanto, com o passar dos dias, o vai e vem e o corre corre, acabo bagunçando e muito esse meu armário.

E agora o caos já está estabelecido, ficou impossível decifrar ou encontrar qualquer que seja o sentimento ou roupa. Preciso tirar um dia, talvez até dois para arrumar essa bagunça, separar calça com calça, blusa com blusa e roupa íntima com roupa íntima. Já meu coração e a mente, não sei quantos dias vou precisar para organizar, talvez leve uma vida.

Mas já aprendi que ser ansiosa demais não resolve, não dá para simplesmente arrumar tudo de uma vez só. É preciso paciência, ir aos poucos, sentindo sentimento por sentimento, como quando vou arrumando as roupas e relembro momentos que vivi. A vida é um pouco assim também.

Sei que preciso saber quando é hora de parar de usar certas emoções, saber quando elas se tornam tão antiquadas quanto aquela blusa velha de algodão que não consigo me desapegar, mesmo sabendo que não vou conseguir muita coisa com ela, Preciso entender que não dá mais para usar. No máximo como pijama.

Preciso não ter medo de tirar tudo, deixar o espaço vazio, fazer o coração respirar, para daí sim, limpar e arrumar tudo aos poucos. Sem esquecer de extrair o que não uso, o que não preciso e o que só vai servir apenas para acumular poeira. Sem dúvida o mais importante é fazer isso com a certeza de que o velho se vai, mas é preciso que isso aconteça para abrir espaço para roupas e sentimentos novos chegarem.

 

Você Também Poderá Gostar

Comentários

Deixe seu comentário