COMPORTAMENTO

Bela, recatada e do lar: a padronização da mulher

20 de abril de 2016

A Revista Veja fez uma matéria sobre a vice-primeira dama brasileira Marcela Temer. A matéria saiu nesta segunda-feira, 18, logo após a votação a favor do seguimento do processo de impeachment conta a presidente Dilma. Caso seja aprovado, seu vice, Michel Temer, assume a presidência. O título da publicação é: “Marcela Temer: bela, recatada e do lar“. Marcela, que ficou marcada na posse da presidente Dilma como a mulher linda, gostosa e novinha do vice Michel Temer, foi retratada como a nossa Grace Kelly.

“A quase primeira-dama, 43 anos mais jovem que o marido, aparece pouco, gosta de vestidos na altura dos joelhos e sonha em ter mais um filho com o vice”

Esse trecho é a linha fina da matéria e já nos diz bastante sobre o que Juliana Linhares, a jornalista, falará durante seu texto. A todo momento, a repórter utiliza falas de pessoas ligadas a esposa de Temer, como seu cabeleireiro, Marco Antonio de Biaggi, que diz que Marcela tem tudo para ser nossa Grace Kelly, “para isso, falta só “deixar o cabelo preso””.

Como estudante de jornalismo, me perguntei qual a relevância deste texto e vocês devem ter respondido a mesma coisa que eu: nenhuma. A todo momento, a Veja aponta Marcela como um exemplo de mulher a ser seguido: formada em Direito, nunca exerceu a profissão; casada há 13 anos com um homem que tem idade para ser seu avô; bonita, de bom comportamento, branca, magra, participou de concursos de Miss. A vida de uma mulher é exposta, como no trecho: “Marcela é uma vice-primeira-dama do lar. Seus dias consistem em levar e trazer Michelzinho da escola, cuidar da casa, em São Paulo, e um pouco dela mesma também (nas últimas três semanas, foi duas vezes à dermatologista tratar da pele).”

Mais uma vez me pergunto qual a necessidade disso.Sem título

A Veja fez um desserviço ao feminismo, à luta das mulheres, que tem o direito de escolher o que ser. Veja bem, o problema não está em ser discreta ou querer cuidar de casa ao invés de exercer uma profissão. O problema está em tornar isso um padrão a ser seguido. A população é, em sua maioria, composta por mulheres e é um descaso querer que nós nos comparemos com Marcela Temer.

Não vou entrar na questão de comparação Marcela x Dilma, nem no meu choque quando vi que a matéria foi escrita por uma mulher, pois este espaço não é para isso. Mas fica a reflexão

A jornalista ainda tem a cara de pau de termina a matéria exaltando o homem de sorte que é Michel por ter uma mulher como Marcela.

Nós mulheres já conquistamos tantas coisas e estamos em constante luta para diminuição das diferenças entre os gêneros, conquistamos o direito ao voto, ao trabalho fora de casa, uma lei que nos protege contra violência física e moral, mas ainda sofremos com padrões e modelos pré-estabelecidos por uma sociedade machista e patriarcal.

Eu não preciso ser comparada a Marcela Temer e nem a nenhuma outra mulher, pois todas nós temos o direito de escolher o que queremos ser. Se quero usar roupas curtas, make pesada ou ir à Igreja aos domingos (ou fazer tudo isso junto), é problema de cada uma. MEU CORPO, MINHAS REGRAS! Não preciso ser prendada e recatada para casar. Não preciso nem casar! Chega, gente, para que tá feio, tá escroto!

É um retrocesso danado esse texto! Mas graças a todas essas mulheres maravilhosas, empoderadas que não se calam mais, críticas choveram sobre esse texto. E, como eu amo a Internet!!! Criaram um Tumblr sobre ser Bela, Recatada e do Lar, como Marcela Temer. Vejam!

http://belarecatadaedolar.tumblr.com/post/143112008645

Nota 1: Marcela Temer, assim como outras mulheres, escolheu tal estilo de vida e deve ser respeitada.

Nota 2: Grace Kelly foi uma atriz americana, vencedora do Oscar, que casou com o Príncipe de Mônaco. Além de ser considerada um ícone da moda, foi considerada também “a princesa mais bonita da história”. Morreu em um acidente de carro em 1982.

Você Também Poderá Gostar

Comentários

Deixe seu comentário