COMPORTAMENTO

Juro que semana que vem paro de prometer…

16 de julho de 2016

Esse ano vou ser alguém melhor. Vou estudar, malhar, começar a dieta, me dedicar aos meus projetos. Esse ano eu vou passar a valorizar minha família. Vou dizer à Renata que eu a amo e talvez a peça em casamento. Vou viajar pra Tailândia, visitar uma ONG e farei doações a alguma igreja. Esse ano eu consigo finalmente tocar outra coisa que não seja “parabéns pra você” no violão, vou receber um aumento e talvez eu consiga comprar aquele carro que estou querendo desde o ano passado. Vou me permitir mais e cobrar menos, vou doar mais e receber menos, amar mais pra ganhar amor de volta.

Mas, espera! Hoje não é dia 31 de dezembro. Não estamos vestindo branco e nem assistindo o show da virada que a cada ano só piora. Não estamos todos na praia olhando para o céu e esperando o momento dos fogos. Cinco, quatro, três, dois, um. Feliz ano novo? Não! Dessa vez não.Ao invés disso, podemos dizer: Feliz qualquer dia de julho!!! Sim, julho. Nada de esperar até o final de Dezembro pra pedir a Renata em casamento. E os estudos? Sabe que poderia estar se dedicando desde já, né? O dinheiro pra ir à Tailândia já poderia estar sendo juntado e você sabe bem que o violão está pegando poeira no armário, enquanto você poderia estar procurando um tutorial de como aprender “Jingle Bells” dessa vez.

Por que esperamos até o momento da virada pra criarmos falsas promessas que nunca serão cumpridas? Deixamos pra segunda, pra semana que vem, para o próximo mês, pro ano que vai entrar. Adiamos a nossa felicidade ao máximo, ou pior, sabotamos as nossas felicidades. Fomos amordaçados pelo medo e isso não nos deixa caminhar. Tememos que o outro saiba o quanto significa para nós. Destruímos a nossa vida quando passamos a suportá-la. Destruímos a nós mesmos quando deixamos para amanhã. Destruímos sonho por sonho, por receio de sonhar, cair e então ter que acordar. Vai lá, não deixe que a Renata suba no altar com outra pessoa!

Você Também Poderá Gostar

Comentários

Deixe seu comentário